sexta-feira, 28 de junho de 2013

Más Allá del Amor


Todo nos amenaza:
el tiempo, que en vivientes fragmentos divide
al que fui
del que seré,
como el machete a la culebra;
la conciencia, la transparencia traspasada,
la mirada ciega de mirarse mirar;
las palabras, guantes grises, polvo mental sobre la yerba,
el agua, la piel;
nuestros nombres, que entre tú y yo se levantan,
murallas de vacío que ninguna trompeta derrumba.

Ni el sueño y su pueblo de imágenes rotas,
ni el delirio y su espuma profética,
ni el amor con sus dientes y uñas nos bastan.
Más allá de nosotros,
en las fronteras del ser y el estar,
una vida más vida nos reclama.

Afuera la noche respira, se extiende,
llena de grandes hojas calientes,
de espejos que combaten:
frutos, garras, ojos, follajes,
espaldas que relucen,
cuerpos que se abren paso entre otros cuerpos.

Tiéndete aquí a la orilla de tanta espuma,
de tanta vida que se ignora y se entrega:
tú también perteneces a la noche.
Extiéndete, blancura que respira,
late, oh estrella repartida,
copa,
pan que inclinas la balanza del lado de la aurora,
pausa de sangre entre este tiempo y otro sin medida


Octavio Paz

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Your silence.............

  
You lift me up and knock me down 
I'm never sure just what to feel when you're around 
I speak my heart but don't know why 
'Cause you don't never really say what's on you mind
It's like I'm walking on broken glass 

I wanna know but I don't wanna ask
 

So say you love me or say you'll leave me
 Don't let the silence do the talking 
Just say you want me or you don't need me  
Don't let the silence do the talking
 
You let me in but then sometimes 

Your empty eyes just make me feel so cold inside  
When I'm with you, it's like rolling dice  
Don't know where or how you're gonna make me cry
 

So say you love me or say you'll leave me  
Don't let the silence do the talking ] 
Just say you want me or you don't need me  
Don't let the silence do the talking
 

It's killing me, the silence 
It's killing me, the silence   
The silence
It's like I'm walking on broken glass 

If this is the end then please just make it fast
 
So say you love me or say you'll leave me

Don't let the silence do the talking 
Just say you want me or you don't need me 
Don't let the silence do the talking





The silence, the silence, the silence 
The silence, the silence, the silence 
  
You lift me up and knock me down 
I'm never sure just what to feel when you're around


quarta-feira, 26 de junho de 2013

Tenho Saudades De Ti...

Tenho saudades de ti,
saudades de te tocar,
sentir a tua respiração,
percorrer cada pedaço de mim,
acompanhando cada toque dos teus dedos,
na minha pele...
Tenho saudades de ti,
saudades de ter a tua pele,
ali à minha frente desejosa de ser tocada,
saudades de sentir o calor aumentar,
em cada toque...
Tenho saudades de ti,
saudades daqueles momentos,
em que nada importa,
à nossa volta,
senão nós,
dois corpos,
sedentos de amor,
paixão,
um pouco de loucura...
Tenho saudades de ti,
saudades dos teus beijos,
saudades das tuas palavras,
saudades até do teu silêncio,
quando me falas com o teu olhar...
Tenho saudades,
saudades de ti,
saudades...

Nuno Miguel Miranda
"Parvoices" de Um Sonhador

Wimbledon 2013 - Parabéns Michelle!


Muitos parabéns Michelle!!! Grande jogo e grande vitória contra Maria Sharapova por 6/3 6/4..... Portugal no seu melhor!!!

terça-feira, 25 de junho de 2013

Era a tarde mais longa de todas as tardes que me acontecia
Eu esperava por ti, tu não vinhas, tardavas e eu entardecia
Era tarde, tão tarde, que a boca, tardando-lhe o beijo, mordia
Quando à boca da noite surgiste na tarde tal rosa tardia

Quando nós nos olhámos tardámos no beijo que a boca pedia
E na tarde ficámos unidos ardendo na luz que morria
Em nós dois nessa tarde em que tanto tardaste o sol amanhecia
Era tarde de mais para haver outra noite, para haver outro dia

Meu amor, meu amor
Minha estrela da tarde
Que o luar te amanheça e o meu corpo te guarde
Meu amor, meu amor
Eu não tenho a certeza
Se tu és a alegria ou se és a tristeza
Meu amor, meu amor
Eu não tenho a certeza

Foi a noite mais bela de todas as noites que me adormeceram
Dos nocturnos silêncios que à noite de aromas e beijos se encheram
Foi a noite em que os nossos dois corpos cansados não adormeceram
E da estrada mais linda da noite uma festa de fogo fizeram

Foram noites e noites que numa só noite nos aconteceram
Era o dia da noite de todas as noites que nos precederam
Era a noite mais clara daqueles que à noite amando se deram
E entre os braços da noite de tanto se amarem, vivendo morreram

Eu não sei, meu amor, se o que digo é ternura, se é riso, se é pranto
É por ti que adormeço e acordo e acordado recordo no canto
Essa tarde em que tarde surgiste dum triste e profundo recanto
Essa noite em que cedo nasceste despida de mágoa e de espanto

Meu amor, nunca é tarde nem cedo para quem se quer tanto!

José Carlos Ary dos Santos

A kiss......


There's a moment
Between a glance, and a kiss
Where the world stops,
For the briefest of times.
And the only thing between us
Is the anticipation
Of your lips on mine.
A moment,
So intense,
It hangs in the air
As it pulls us closer.
A moment,
So perfect,
That when it comes to an end,
We realize,
It's only the beginning.......


segunda-feira, 24 de junho de 2013

Amei-te e por te amar
Só a ti eu não via…
Eras o céu e o mar,
Eras a noite e o dia…
Só quando te perdi
É que eu te conheci…

Quando te tinha diante
Do meu olhar submerso
Não eras minha amante…
Eras o Universo…
Agora que te não tenho,
És só do teu tamanho.

Estavas-me longe na alma,
Por isso eu não te via…
Presença em mim tão calma,
Que eu a não sentia.
Só quando meu ser te perdeu
Vi que não eras eu.

Não sei o que eras. Creio
Que o meu modo de olhar,
Meu sentir meu anseio
Meu jeito de pensar…
Eras minha alma, fora
Do Lugar e da Hora…

Hoje eu busco-te e choro
Por te poder achar
Não sequer te memoro
Como te tive a amar…
Nem foste um sonho meu…
Porque te choro eu?

Não sei… Perdi-te, e és hoje
Real no […] real…
Como a hora que foge,
Foges e tudo é igual
A si-próprio e é tão triste
O que vejo que existe.

Em que és […] fictício,
Em que tempo parado
Foste o (…) cilício
Que quando em fé fechado
Não sentia e hoje sinto
Que acordo e não me minto...


Fernando Pessoa

You used to take me to the moon everyday...... and we would play with the stars...... I miss you.......

Wimbledon 2013



E começa hoje mais um torneio do Grand Slam , o mais famoso de Relva.... Wimbledon!!!! E com ele, muitas horas de cadeira, sofá, cama a ver os jogos e a torcer e a sofrer pelo meu Novak Djokovic!!! Go Djokovic!!!!! :)

sexta-feira, 21 de junho de 2013

The Falling of the Leaves


      UTUMN is over the long leaves that love us,
      And over the mice in the barley sheaves;
      Yellow the leaves of the rowan above us,
      And yellow the wet wild-strawberry leaves.
       
      The hour of the waning of love has beset us,
      And weary and worn are our sad souls now;
      Let us part, ere the season of passion forget us,
      With a kiss and a tear on thy drooping brow. 
       
      W.B. Yeats

Carpe Diem....



"Não sou nada
Nunca fui nada.
Não posso querer ser nada.
A parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo...” 


 Fernando Pessoa

Romance


Romance, who loves to nod and sing
With drowsy head and folded wing
Among the green leaves as they shake
Far down within some shadowy lake,
To me a painted paroquet
Hath been—most familiar bird—
Taught me my alphabet to say,
To lisp my very earliest word
While in the wild wood I did lie,
A child—with a most knowing eye.

Of late, eternal condor years
So shake the very Heaven on high
With tumult as they thunder by,
I have no time for idle cares
Through gazing on the unquiet sky;
And when an hour with calmer wings
Its down upon my spirit flings,
That little time with lyre and rhyme
To while away—forbidden things—
My heart would feel to be a crime
Unless it trembled with the strings


Edgar Allan Poe

quinta-feira, 20 de junho de 2013

A uma Mulher

Para tristezas, para dor nasceste.
Podia a sorte pôr-te o berço estreito
N'algum palácio e ao pé de régio leito,
Em vez d'este areal onde cresceste:

Podia abrir-te as flores — com que veste
As ricas e as felizes — n'esse peito:
Fazer-te... o que a Fortuna há sempre feito...
Terias sempre a sorte que tiveste!

Tinhas de ser assim... Teus olhos fitos,
Que não são d'este mundo e onde eu leio
Uns mistérios tão tristes e infinitos,

Tua voz rara e esse ar vago e esquecido,
Tudo me diz a mim, e assim o creio,
Que para isto só tinhas nascido! 


Antero de Quental

Não partas já

Não partas já. Fica até onde a noite se dobra
para o lado da cama e o silêncio recorta
as margens do tempo. É aí que os livros
começam devagar e as cores nos cegam
e as mãos fazem de norte na viagem. Parte apenas

quando a manhã se ferir nos espelhos do quarto
em estilhaços de luz; e um feixe de poeiras
rasgar as janelas como uma ave desabrida.
Alguém murmurará então o teu nome, vagamente,
como a gastar os dedos na derradeira página.

E então, sim, parte, para que outra história se
invente mais tarde, quando os pássaros gritarem
à primeira lua e os gatos se deitarem sobre
                                                               o muro, de olhos acesos, fingindo que perguntam.

Maria do Rosário Pedreira

The Sopranos


Fã incondicional dessa série e o James Gandolfini estava espectacular..... De 1999 a 2007 essa série acompanhou-nos e deixou a sua marca...... Ficam na memória.....

A Dream Within A Dream

Take this kiss upon the brow!
And, in parting from you now,
Thus much let me avow--
You are not wrong, who deem
That my days have been a dream;
Yet if hope has flown away
In a night, or in a day,
In a vision, or in none,
Is it therefore the less gone?
All that we see or seem
Is but a dream within a dream.

I stand amid the roar
Of a surf-tormented shore,
And I hold within my hand
Grains of the golden sand--
How few! yet how they creep
Through my fingers to the deep,
While I weep--while I weep!
O God! can I not grasp
Them with a tighter clasp?
O God! can I not save
One from the pitiless wave?
Is all that we see or seem
But a dream within a dream?
 Edgar Allan Poe

I carry your heart with me

i carry your heart with me(i carry it in
my heart)i am never without it(anywhere
i go you go,my dear; and whatever is done
by only me is your doing,my darling)
i fear
no fate(for you are my fate,my sweet)i want
no world(for beautiful you are my world,my true)
and it's you are whatever a moon has always meant
and whatever a sun will always sing is you

here is the deepest secret nobody knows
(here is the root of the root and the bud of the bud
and the sky of the sky of a tree called life;which grows
higher than the soul can hope or mind can hide)
and this is the wonder that's keeping the stars apart

i carry your heart(i carry it in my heart)
E.E. Cummings

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Tu..... poema com o teu nome......

Contavam as sereias que na tempestade os seus olhos
os barcos adormeciam tontos, cansados das marés;
que os seus beijos sabiam a mar e que na sua pele crestada
pelo sol havia  cintilância das ondas ao meio-dia;
que os seus ombros lembravam promontórios e que neles
as mulheres deixavam naufragar as mãos e os lábios;
que uma noite tocara a lua com os seus dedos mastros
e ouvira uma voz dentro de si, vinda de muito longe;
que era hábil com as redes, como com as palavras.

Alguém veio pedir-lhe que abandonasse os peixes
pelos homens. Em troca, receberia
um templo eterno, uma chave, o privilégio de decidir
todos os lugares a chuva, um nome novo
para poder negar tudo o que vira antes.

Maria do Rosário Pedreira

terça-feira, 18 de junho de 2013

I Am Not Yours

I am not yours, not lost in you, 
Not lost, although I long to be 
Lost as a candle lit at noon, 
Lost as a snowflake in the sea. 

You love me, and I find you still 
A spirit beautiful and bright, 
Yet I am I, who long to be 
Lost as a light is lost in light. 

Oh plunge me deep in love - put out 
My senses, leave me deaf and blind, 
Swept by the tempest of your love, 
A taper in a rushing wind. 
 
 Sara Teasdale

Perdi os Meus Fantásticos Castelos

Perdi meus fantásticos castelos
Como névoa distante que se esfuma...
Quis vencer, quis lutar, quis defendê-los:
Quebrei as minhas lanças uma a uma!

Perdi minhas galeras entre os gelos
Que se afundaram sobre um mar de bruma...
- Tantos escolhos! Quem podia vê-los? –
Deitei-me ao mar e não salvei nenhuma!

Perdi a minha taça, o meu anel,
A minha cota de aço, o meu corcel,
Perdi meu elmo de ouro e pedrarias...

Sobem-me aos lábios súplicas estranhas...
Sobre o meu coração pesam montanhas...
Olho assombrada as minhas mãos vazias... 
 
Florbela Espanca

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Mais Luz!


Amem a noite os magros crapulosos,

E os que sonham com virgens impossíveis,

E os que se inclinam, mudos e impassíveis,

À borda dos abismos silenciosos...



Tu, Lua, com teus raios vaporosos,

Cobre-os, tapa-os e torna-os insensíveis,

Tanto aos vícios cruéis e inextinguíveis,

Como aos longos cuidados dolorosos!



Eu amarei a santa madrugada,

E o meio-dia, em vida refervendo,

E a tarde rumorosa e repousada.



Viva e trabalhe em plena luz: depois,

Seja-me dado ainda ver, morrendo,

O claro Sol, amigo dos heróis!

Antero de Quental

domingo, 16 de junho de 2013

O Amor


O amor, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p'ra ela,
Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de *dizer.
Fala: parece que mente
Cala: parece esquecer

Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
Pr'a saber que a estão a amar!

Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar..
 
Fernando Pessoa

Would love to be that free,,,,,,,,

sábado, 15 de junho de 2013

sexta-feira, 14 de junho de 2013


      HO dreamed that beauty passes like a dream?
      For these red lips, with all their mournful pride,
      Mournful that no new wonder may betide,
      Troy passed away in one high funeral gleam,
      And Usna's children died.
       
      We and the labouring world are passing by:
      Amid men's souls, that waver and give place
      Like the pale waters in their wintry race,
      Under the passing stars, foam of the sky,
      Lives on this lonely face.
       
      Bow down, archangels, in your dim abode:
      Before you were, or any hearts to beat,
      Weary and kind one lingered by His seat;
      He made the world to be a grassy road
      Before her wandering feet. 
       
      W.B. Yeats


Caminho pelo lado da rebentação das ondas ―

o litoral guarda segredo dos meus passos entre

as redes de sal trazidas pelos barcos

e o labirinto das algas ainda agora oferecidas


à praia. Sinto-me à mercê das falésias a riscar

o teu nome na areia; e é como se lentamente

pronunciasse um chamamento triste a que ninguém

acode. Fez-se tarde para os lamentos das sereias:


agora as marés dobam novelos de espuma à roda

dos meus pés, as águas já não transportam

a minha voz, a perder-se sobre as dunas

que os ventos vão desbastando devagar


ao cair da noite. Tenho sempre medo que não voltes.
Maria do Rosário Pedreira


quinta-feira, 13 de junho de 2013




Valerá a pena a espera? Insistir em algo que afinal não era o que parecia ser? Raiva, ódio, frustração, desilusão, tristeza, mágoa, dor mas apesar de tudo não consigo tirar-te da minha cabeça...... Um sentimento que me queima por dentro e deixa-me perdida e insegura e que me consome...... Valerá a pena esperar? Voltarás? Por ti quebrei e cedi ..... e cai..... Mas voltarei a erguer-me e tu serás uma lembrança...... Ou não? Diz-me........

 
 Love is apart from all things.
Desire and excitement are nothing beside it.
It is not the body that finds love.
What leads us there is the body.
What is not love provokes it.
What is not love quenches it.
Love lays hold of everything we know.
The passions which are called love
also change everything to a newness
at first. Passion is clearly the path
but does not bring us to love.
It opens the castle of our spirit
so that we might find the love which is
a mystery hidden there.
Love is one of many great fires.
Passion is a fire made of many woods,
each of which gives off its special odor
so we can know the many kinds
that are not love. Passion is the paper
and twigs that kindle the flames
but cannot sustain them. Desire perishes
because it tries to be love.
Love is eaten away by appetite.
Love does not last, but it is different
from the passions that do not last.
Love lasts by not lasting.
Isaiah said each man walks in his own fire
for his sins. Love allows us to walk
in the sweet music of our particular heart.
 
 
Jack Gilbert

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Cien sonetos de amor XCII


Amor mío, si muero y tú no mueres,
no demos al dolor más territorio:
amor mío, si mueres y no muero,
no hay extensión como la que vivimos.
Polvo en el trigo, arena en las arenas
el tiempo, el agua errante, el viento vago
nos llevó como grano navegante.
Pudimos no encontrarnos en el tiempo.
Esta pradera en que nos encontramos,
oh pequeño infinito! devolvemos.
Pero este amor, amor, no ha terminado,
y así como no tuvo nacimiento
no tiene muerte, es como un largo río,
sólo cambia de tierras y de labios. 
 
Pablo Neruda

      HY one, shy one,
      Shy one of my heart,
      She moves in the firelight
      Pensively apart.
       
      She carries in the dishes,
      And lays them in a row.
      To an isle in the water
      With her would I go.
       
      She carries in the candles,
      And lights the curtained room,
      Shy in the doorway
      And shy in the gloom;
       
      And shy as a rabbit,
      Helpful and shy.
      To an isle in the water
      With her would I fly. 
       
      William Butler Yeats

Fumo


 
Longe de ti são ermos os caminhos,
Longe de ti não há luar nem rosas,
Longe de ti há noites silenciosas,
Há dias sem calor, beirais sem ninhos!
Meus olhos são dois velhos pobrezinhos
Perdidos pelas noites invernosas...
Abertos, sonham mãos cariciosas,
Tuas mãos doces, plenas de carinhos!
Os dias são Outonos: choram... choram...
Há crisântemos roxos que descoram...
Há murmúrios dolentes de segredos...
Invoco o nosso sonho! Estendo os braços!
E ele é, ó meu Amor, pelos espaços,
Fumo leve que foge entre os meus dedos!...
 
 
Florbela Espanca

terça-feira, 11 de junho de 2013

Dos cuerpos


 

Dos cuerpos frente a frente
son a veces dos olas
y la noche es océano.

Dos cuerpos frente a frente
son a veces dos piedras
y la noche desierto.

Dos cuerpos frente a frente
son a veces raíces
en la noche enlazadas.

Dos cuerpos frente a frente
son a veces navajas
y la noche relámpago.

Dos cuerpos frente a frente
son dos astros que caen
en un cielo vacío.
 
Octavio Paz

Devolve-me..........


 
Devolve-me esse corpo.
Esse que não tive, que não tenho
mais que no fugaz olhar
por cima do meu ombro
Porém não para trás
 
Devolve-me o que não é meu
nem nunca será meu,
tal como o pássaro
que por lá fora canta
fora da minha mão,
fora do meu corpo.
 
Devolve-me esse pássaro
e poisa nesse ramo
que o meu olhar alcança
 
 
Pedro Tamen


segunda-feira, 10 de junho de 2013


Fragile like a child is fragile.
Destined not to be forever.
Destined to become other
To mother. Here I am
Sitting on a chair, thinking
About you. Thinking
About how it was
To talk to you.
How sometimes it was wonderful
And sometimes it was awful.
How drugs when drugs were
Undid the good almost entirely
But not entirely
Because good could always be seen
Glimmering like lame glimmers
In the window of a shop
Called Beautiful
Things Never Last Forever.
I loved you. I love you. You were.
And you are. Life is experience.
It's all so simple. Experience is
The chair we sit on.
The sitting. The thinking
Of you where you are a blank
To be filled
In by missing. I loved you.
I love you like I love
All beautiful things.
True beauty is truly seldom.
You were. You are
In May. May now is looking onto
The June that is coming up.
This is how I measure
The year. Everything Was My Fault
Has been the theme of the song
I've been singing,
Even when you've told me to quiet.
I haven't been quiet.
I've been crying. I think you
Have forgiven me. You keep
Putting your hand on my shoulder
When I'm crying.
Thank you for that. And
For the ineffable sense
Of continuance. You were. You are
The brightest thing in the shop window
And the most beautiful seldom I ever saw.
 
Mary Jo Bang

Ardes-me no peito.....


Ardes-me no peito onde a custo
o meu amor perpassa, e vai até
às loucuras do corpo
e às agruras da alma.
Ardes-me no minuto, no segundo,
na hora amaciada por olhos entrevistos,
ardes-me no sangue obstruído
e na certeza muda que me diz
que o coração existe.

Pedro Tamen